Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Assumpção, responsabilidade, anonimato...

Domingo, 12.02.06
Asssumimos prepotências de correcções e corretivismos de tudo e todos o que nos rodeia assumindo que temos esse direito. Todavia escondemo-nos em anonimatos do manto social por forma a evitar confrontações com pedidos de argumentação de uma dita opinião livre e formada. Iludimo-nos com conceitos, preconceitos que duma forma auspiciosa e prepotente fazem-nos assumir os papéis aos quais não se identifica hipocrisia.
Aclama-se a máxima- " Faz como eu digo, não faças como eu faço!" - desculpando a hipocrisia das nossas atitudes perante as pregações daquelas que nós dizemos ser as nossas acções. A assumpção de uma diferença que se preocupa em se identificar tanto como uma oposição, que acaba aclamando essa oposição mesmo contra a sua própria lógica. " Sou contra a discriminação, sou contra todos aqueles que discriminam achando que deveriam ser prostados da sociedade." ; " Sou contra todas as formas de racismo e a favor dos favoritismos dado ás minorias!"
Analizem bem as vossas opiniões e idéias mais enraizadas, dissequem-nas de uma forma analíctica e científica. Identifiquem a vossa personalizade de uma forma exteriorizada vendo que a nossa imagem ao espelho não é assim tão bonita. Olhem bem para o espelho mas não para se admirarem, sim para encontrarem toda a vossa possível horripilência da alma, do vosso amâgo. O encontro com a nossa atitude mais animalesca, o instinto reptiliano da sobrevivência, o encontro com as atitudes mais vorazes. A perca de toda a luxúria, do ego, o encontro com a nossa verdadeira essência. Ser apenas humildemente egoísta pela nossa felicidade, a simples satisfação das necessidades mais básicas de qualquer tabela de necessidades. Tomar a responsabilidade como argumento das nossas escolhas, atitudes, idéias e opiniões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ogle às 19:15

Sentir, compreender, amar.

Segunda-feira, 06.02.06
A compreensão lógica de algo faz com que se tente racionalizar o que sentimos, ao tentarmos racionalizar o que sentimos afastamo-nos do sentimento. O conflito entre estes dois campos leva, nas sociedades ditas "modernas", a uma crescente insatisfação e ansiedade com o próprio. Tentamos explicar aquilo que pensamos compreender porque assim o sentimos, tentamos sentir as coisas porque assim as compreendemos. Afastando-nos de nós próprios ao elevarmo-nos á compreensão deixando de fora o que sentimos. Afastando-nos de nós próprios ao tentar elevar aquilo que sentimos a uma compreensão. Dizemos existir um equilíbrio mas andamos sempre a compensar, ora por excesso ora por defeito, sem nunca de facto andarmos equilibrados na realidade.
Já terei falado, em textos anteriores, que o amor seria aquilo que nós humanos devolvemos ao universo como elemento primordial (para além dos elementos terra, água, ar, etc). Já tambem falei que o amor incondicional nos ajuda a compreender algo mesmo que não o sintamos. Poderá então ser o amor incondicional uma ajuda na resolução do conflito compreensão-sentimento? Todos aqueles que foram considerados profetas de alguma ideologia religiosa ou filosofia de procura do significado da nossa existência tropeça neste conceito. É algo incontornável, elevado á celebração máxima ou ao tabu, sacrilégio, puro dogma quando não se sente aquilo que nos ajuda a compreender mas não tem compreensão. O amor é algo que sentimos e ajuda a compreender aquilo que amamos. Não é algo que compreendemos, é algo que sentimos. Não sentimos que o compreendemos em si mas ajuda a compreender o objecto pelo qual o sentimos. Parece uma solução tão simples mas ao mesmo tempo procuramos explicar um sentimento complicado e embrulhamo-nos em questões intermináveis que nos colocam cada vez mais no conflito compreensão-sentimento. Não nos sentimos completos ao procurar a compreensão do Mundo, falta tempo para o sentir... Não nos sentimos completos ao sentir o Mundo pois acabamos por não compreender nada dele...
Amando encontramos a "cola" entre os dois, a ponte que une as margens em conflito, o equilíbrio da dictomia, não por excesso, não por defeito, mas por uma constante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Ogle às 16:37




mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2006

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728





comentários recentes

  • gala

    :)voltaste

  • caixapreta

    Eu também não fui embora, ando por ai, mas em vez ...

  • caixapreta

    As flores são uma dica para procurar um novo blog?

  • Filipa Guardado

    .... a relacionar o inrelacionavel :P ..... xxx Mt...

  • Gala

    eu venho, e venho e volto a vir mas não há textos ...

  • Guh

    Olha lá, mas tu mudaste de domínios ou andas só mu...

  • caixapreta

    Feliz Natal

  • Guh

    Eu acho, sinceramente, que tu tás todo queimadinho...

  • caixapreta

    Cheiros e sabores...por vezes é preciso até disfar...

  • Ogle

    Os recados são sempre bem vindos... Mas o que teim...




subscrever feeds